Nossa História

SILOÉ, MILAGRE DE DEUS

Tirados da terra do Egito para o louvor e a adoração do Único e Eterno Deus.

Assim diz o Senhor, Rei de Israel, e seu Redentor, o Senhor dos Exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e fora de mim não há Deus... (Isaías 44.6)

Fazíamos parte de uma Comunidade Católica chamada Siloé com cerca de 12 anos de existência. Um povo alegre, que tinha descoberto naquela comunidade outra forma de ver a vida com Deus. O líder da comunidade sempre tentava passar a verdade confrontando os ritos do catolicismo com a verdade bíblica, e então começou a se cumprir na vida daqueles irmãos o que diz Jo. 8.32: “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.” Nos meses que antecederam ao grande milagre alguns irmãos já não se sentiam bem com os ritos da religiosidade vivida e ir a uma celebração de missa ou rezar um terço havia se tornado algo vazio, sem sentido. O período que antecedeu a mudança foi o mais difícil para aquela comunidade, pois como na época do Êxodo bíblico onde Senhor endureceu o coração de Faraó (Ex.7.3), Deus endureceu o coração dos líderes da Igreja Romana contra os filhos de Siloé e era cada vez mais difícil servir a Deus naquele lugar.  Algumas reuniões outrora realizadas dentro do templo católico acabavam por se realizar na praça ao lado, porque o templo para nós encontrava-se de portas fechadas. Até louvar no templo católico não se tinha mais direito, pois a missa onde o ministério de louvor da Comunidade Siloé era responsável pelo louvor foi-lhes tirada e dada a uma outra comunidade católica para que ficassem a frente. Deus preparava o seu povo para o grande milagre que estava por vir...

Hora da mudança

Chegou o dia determinado por Deus para a libertação de seu povo, uma reunião extraordinária foi marcada para todos os membros daquela comunidade em uma escola pública do município. Muita ansiedade existia, afinal até mesmos os poucos que sabiam o propósito da liderança de anunciar uma mudança radical não tinham ciência de seria naquele dia. Dia 05 de Janeiro do ano de 1997, iniciasse a reunião: orações, louvores, mas há algo diferente na oração, há algo diferente nos louvores escolhidos para aquele dia, a expectativa começa a aumentar. O ministério de louvor começa a entoar um cântico, na verdade um hino que representava exatamente o que estávamos vivendo, por tantas vezes cantado em nosso meio, mas agora, com efeito, de verdade em nossas vidas:

 “Te exaltamos oh Cordeiro Santo de Deus,
 E declaramos as tuas maravilhas.
Teu Espírito se manifestará nestes dias,
Trazendo vitória as nossas vidas.

Quem intentará contra o braço forte do Senhor,
Quem impedirá o seu agir, quem poderá nos resistir,
Se a Palavra de vitória já foi liberada a nós.
Se a Palavra de vitória já foi liberada a nós!”
 (Ministério Koinonya de Louvor)

Aquele hino certamente tinha outro sentido, a certeza da vitória, ao sair dos lábios daquele a quem Deus escolhera para ser instrumento Seu, tirando o seu povo mais uma vez do “Egito”. Depois do hino veio à revelação, após ler o texto bíblico... Sem medo, sem meias palavras revestido de autoridade espiritual, o líder daquela comunidade levanta a Palavra de Deus em uma de suas mãos para anunciar que a partir daquele dia a Comunidade Católica Siloé já não estava mais sobre o jugo de ninguém, que não seria mais parte da igreja romana, e que todos que com ele quisessem passariam agora a ser chamados: crentes, protestantes, evangélicos, como quisessem. Que seriam na verdade chamados Filhos de Deus!  Imaginem as reações, pessoas ficaram literalmente paralisadas, pernas e braços como se anestesiados, tamanha a surpresas que tal revelação chegou a causar. Algumas pessoas chegaram a sentir-se mal, revolta tomou conta do coração de muitos, não podiam crer no que acabaram de ouvir. Um grande tumulto se gerou muitos dos mais entranhados na religiosidade criaram ódio daquele homem, chamaram-no de herege, de louco, como poderiam deixar a igreja católica, a igreja verdadeira, a primeira igreja que Deus havia criado? As opiniões divergiam, gerou-se dúvida no coração da maioria dos presentes, contudo mais da metade dos presentes optaram em servir à um único e verdadeiro Deus. O milagre estava apenas começando a acontecer.

Novas criaturas

 O período e adaptação à nova fé não foi fácil, muitos traziam arraigados em si vestígios da religiosidade vivida, e aceitar uma mudança tamanha necessitava de mais entrega, algo ainda não experimentado por todos os presentes. Nova forma de adoração, novos hábitos e costumes, nova maneira de se vestir, de se falar, de se comportar, em fim um novo testemunho a dar, uma nova fé, um novo batismo...  Imaginem a emoção de cerca de 80 pessoas ao descerem as águas testificando um novo nascimento, todos ex-carismáticos testemunhando sua fé em um único Deus, vivo, poderoso... No quintal da casa de uma irmã, em um tanque particular todos desceram as águas e afogaram ali um passado idólatra tornado-se novas criaturas em Cristo Jesus. Lágrimas molhavam os rostos, jovens, adultos e idosos tornavam-se membros não somente de uma nova igreja que passava a existir, mas membros do corpo de Cristo, autor e consumador de nossa fé...
           
Os primeiros frutos...

Uma igreja nova estava nascendo, não apenas mais uma igreja, usando as palavras de um de nossos pastores:
“Um projeto nascido no coração de Deus para apregoar a mensagem do reino. Um ministério que não é resultado de uma divisão denominacional, mas fruto de uma obra milagrosa do Espírito Santo, no coração de homens e mulheres que viviam engodados na idolatria, dentro do Catolicismo Romano, e que se depararam com a Verdade que os libertou.” (Pr. Denílson Almeida)
Nas primeiras reuniões Deus abençoou uma outra escola municipal, ali os primeiros frutos do milagre começaram a se reunir e aprender juntos como adorar a um único Deus. Após alguns meses os primeiros frutos da nova fé começaram a aparecer, cultos profundamente cheios da presença de Deus onde o Pai Supremo nos presenteava com conversões em massa, crianças, jovens, adultos, idosos, ninguém podia resistir ao poder da pregação do verdadeiro evangelho de Cristo ali ministrado. Hoje adoramos a um único Deus, aquele que reina e vive eternamente, Deus que nos tirou do Egito e nos trouxe rumo à terra prometida: Jerusalém Celeste, cidade de Deus, promessa do Pai para todo aquele que perseverar até o fim. Siloé nunca se esqueça de seu passado, sua origem é um milagre do qual todos os dias deveis se orgulhar saiba que o Senhor é contigo testificar este milagre é dever de todos nós, pois como Deus nos salvou, Ele ainda quer salvar a muitos através de teu testemunho, pois você é prova incontestável que Deus continua a fazer milagres.

Siloé, Milagre de Deus!